sexta-feira, maio 23, 2008

Se sorrir, posso ir ?


Sem nem me ver. Sem me ver.


"Estenderia esses mantos a teus pés./ Mas eu, sendo pobre, tenho apenas sonhos;/ E estendi meus sonhos a teus pés;/ Pisa com delicadeza, pois estás pisando/ em meus sonhos."
A gente não é sério com dezessete anos.
— Uma bela noite, longe dos chopes e do anseio
Dos cafés barulhentos de lustres soberanos —
Vamos sob as tílias, verdes do passeio.
Ociosa juventude
De tudo pervertida
Por minha virtude
Eu perdi a vida. Ah!
Que venha a hora
Que as almas enamora!

Quando somos muito fortes -, Quem recua? Muito alegres. -, Quem cai de ridiculo? Quando somos muito maus -, Que fariam de nós? Enfeitai-vos, dançai, ride. - Não poderei jamais atirar o amor pela janela!

Nada falarei, não pensarei em nada: Mas um amor imenso me irá envolver, E irei longe, bem longe, a alma despreocupada, Pela Natureza — feliz como com uma mulher.

Nenhum comentário: