quarta-feira, março 24, 2010

Em um apartamento
Com estranhos labirintos
E confusões
Contusões machucam cada músculo
De cada coração
Cada gesto disfarça uma emboscada
Paira no ar a triste piada
Mas se alguém riu, também não viu
Que toda comédia tem no fundo uma tragédia
Em cada canto de cada boca
Escorre um pouco de veneno
As expressões nada tem de sereno

Pais e filhos encurralados
Sufocados em laços de família
Quase toda família
É uma orquestra desafinada

Num álbum velho
Estão eternizadas
Numa fotografia desfocada
As convergências, as divergências
A emergência de cada um
Em procurar uma saída
Que não leve de volta
Ao ponto de partida
Qualquer deslize pode ser crucial
E transformar cada membro
Em um feroz animal

Um comentário:

Tony disse...

I care about your blog... u_u